segunda-feira, 13 de julho de 2009

Que pasa con el rock'n'roll?

Aproveitando o dia mundial do rock, colocarei em pauta uma discussão muito antiga e complicada. O que vem acontecendo com o nosso gênero musical preferido? O rock mudou pra pior, pra melhor ou apenas de modificou para se adaptar aos novos tempos?

Eu, como boa testemunha da revolução musical proporcionada por bandas como Strokes e Libertines, já me envolvi em diversas discussões com o objetivo de defender as bandas de hoje em dia e afirmar categoricamente que o rock NÃO acabou. Claro que esse é um assunto mais complicado do que religião ou política; tem sempre os xiitas que insistem em afirmar que rock bom mesmo era o que se fazia antigamente e que hoje em dia só existem um monte de bandinhas iguais e sem brilho.

Acho que ninguém é louco o suficiente pra negar que nos anos 60/70 se fez música de qualidade inquestionável, só ver que as grandes bandas são daquela época. Zeppelin, Stones, Beatles e afins falam por si só. No entanto, creio que é necessário entender que o rock não 'ficou pior' ou algo do tipo, ele apenas sofreu algumas mudanças. Mudou, como a maioria dos estilos musicais mudam ao longo do tempo.

É de se analisar o contexto histórico das duas épocas, também. Nas décadas passadas, o fluxo de informação era limitado, o que fazia com que se criasse uma mitificação em torno dos grandes astros. Uma frase dita por Sir Paul em Liverpool demorava algum tempo para chegar nos jornais e revistas do Brasil e, quando chegava, acabava se tornando uma grande notícia. Hoje em dia, com essa coisa que chamamos de internet, é possível acompanhar qualquer acontecimento em tempo quase real, o que acaba com grande parte da mística que era criada nos primórdios do rock.

É de se admitir, talvez, que realmente falte alguma coisa nas bandas de hoje, em relação as de antigamente. Mas o quê? Quem sabe um pouco de grandeza. Hoje em dia, as bandas passam a impressão de serem um pouco minimalistas, deixam a desejar em grandes riffs de guitarra ou em grandes performances no palco, até mesmo em polêmicas off stage - que sempre fizeram parte do rock'n'roll. Outra coisa que sinto falta é dos grandes showmans; que falta faz um Mick Jagger, um Rod Stewart ou mesmo um cara que fizesse chover com a guitarra, sem deixar a música chata, como Jimi ou Jimmy Page.

Enfim, é preciso aceitar as mudanças que a música sofreu nesses últimos tempos. Aceitar que antigamente o rock não tinha concorrentes, hoje uma grande banda tem que disputar espaço com Kanye West, Jonas Brothers e afins. Mesmo assim, o rock continua influenciando mais do que qualquer outro estilo musical. A quantidade de gente que vive um rock'n'roll lifestyle é imensa. Mesmo que não se perceba, o rock está presente no cotidiano de muitas pessoas, mais do que que qualquer outro estilo, sem dúvida alguma. Nós continuamos lutando e vencendo a batalha.

4 comentários:

Gui K disse...

Concordo principalmente com a parte da Internet e dos showmans. Apesar de algumas bandas ainda fazerem grandes show, incluindo "atuação" da banda no palco.

Fernanda e o Pé de Manga disse...

Concordo com o post, mas mesmo concordando, não consigo evitar achar as bandinhas de rock da atualidade um tanto quanto "ralinhas".

hnegrini disse...

poisé, eu acho que falta alguma coisa nas músicas mesmo.

só não sei dizer o que é. :/

filipe disse...

Talves o que falte seja um pouco mais de crensa no que se faz e no que se diz. Hj em dia é tudo muito levado pela moda e pelo que está se vndendo nas lojas.
Talves o que falte seja aquele credo sobre as proprias atitudes, uma banda que nao fale por falar, mas que fale por que realmente acha que aquilo pode ser o certo.
Mas o que aconteceu com o rock? Nao sei...